#12mesesdePoe – Berenice.

Olááá 😀

Este post faz parte do Desafio de leitura #12mesesdePoe.

O conto do mês de Outubro é “Berenice”. Já havia lido o conto, e vou deixar hoje uma análise diferente por motivos de: zero tempo disponível. Já tinha o arquivo aqui pois é um pedaço de algo que usei pra analisar o conto na faculdade, portanto, não é algo que escrevi para o blog.

berenice-nelson-evergreen

Egeu, narrador personagem e personagem principal. Goza de pouca saúde e é extremamente melancólico, sempre frisando o quanto é desventurado: “Como é que, da beleza, derivei eu um exemplo de feiúra?”

A biblioteca, ambiente em que o personagem passa a maior parte da história, é mórbida por si só, tendo em vista que ali ele nasceu e ali sua mãe morreu, dando a entender que a mãe faleceu no parto. Sendo assim, podemos dizer que o próprio ambiente contribui para que o personagem seja depressivo.

Cresceu em solar paterno junto com sua prima Berenice, que é justamente o oposto de Egeu: saudável, alegre e bonita: os dois contrastam. Continuar lendo “#12mesesdePoe – Berenice.”

#12mesesdePoe – Hop-Frog

426bb72c41ffbdc5517126bc02fbb2d0.jpg

Quanto a mim, sou simplesmente Hop-Frog, o truão, e essa é a minha última truanice.

Este post faz parte do Desafio de leitura #12mesesdePoe. O conto Hop-Frog fala sobre um rei e sua corte muito dados à brincadeiras. Como era de praxe ter bobos da corte na época, o rei possuía o seu: Hop-Frog, um anão coxo, que se movia de forma incomum, quase saltando, fato que divertia muitíssimo o rei e seus sete ministros, todos extremamente gordos.

De fato, Hop-Frog podia mover-se apenas por meio duma espécie de passo interjetivo – algo entre um pulo e uma contorção -, um movimento que provocava  ilimitada diversão[…]

Além de Hop-Frog, o rei tinha também uma anãzinha de nome Tripetta, descrita como bonita e de corpo bem distribuído e, por conta disso, mimada por todos – embora ainda tratada como uma posse e boba da corte, ou seja, um pouco menos maltratada do que Hop-Frog. Sempre que podia, ela usava os mimos em benefício de Hop-Frog, já que embora o rei se divertisse muito com o anão, ele não era querido por todos como Tripetta. Continuar lendo “#12mesesdePoe – Hop-Frog”

#12mesesdePoe – O Demônio da Perversidade

Olá!
Como vocês estão?

O Demônio da Perversidade

Este post faz parte do Desafio de leitura #12mesesdePoe. O conto da vez é o O Demônio da Perversidade.

Li o conto em um PDF de quatro páginas, e nas quase três primeiras páginas o nosso narrador-personagem fundamenta e explica a frenologia, que é a teoria que diz que a personalidade da pessoa é definida por “órgãos cerebrais”. Continuar lendo “#12mesesdePoe – O Demônio da Perversidade”

#12mesesdePoe – O Coração Delator

Olá!
Como vocês estão?

Este post faz parte do Desafio de leitura #12mesesdePoe.

Ouvi todas as coisas no céu e na terra. Ouvi muitas coisas no inferno. Como então posso estar louco?

O conto deste mês é O Coração Delator. Já li diversos contos do Poe em que um dos personagens sofre de monomania – obsessão extrema por algo – e neste conto a obsessão da vez é pelo olhar terrível de um velho. Segundo o narrador-personagem, o olho o angustiava tanto que ele decidiu matar o pobre velho, se livrando, assim, do horror que o olho produzia nele.  Continuar lendo “#12mesesdePoe – O Coração Delator”

#12mesesdePoe – O Escaravelho de Ouro

Olá!

ABAAABgUcAE-0

Primeiramente, se você não sabe do que se trata o Desafio de leitura #12mesesdePoe, clique aqui.
Sim, eu sei, este post era pra ter sido postado ainda em Julho.Em minha defesa, o conto foi lido em Julho, mas não pude postar a tempo.

O conto da vez foi O Escaravelho de Ouro 😀 Continuar lendo “#12mesesdePoe – O Escaravelho de Ouro”

#12mesesdepoe – METZENGERSTEIN

Olá!
O conto Metzengerstein, de Edgar Allan Poe, seria o conto a ser lido no mês de Janeiro. Como eu entrei atrasada no desafio de leitura, como já falei aqui, vou ler os contos correspondentes aos meses certinhos daqui pra frente, e os contos referentes aos meses que já passaram eu vou lendo aos poucos e postando um a cada mês, até dezembro. Dá certinho, né? Portanto, serão dois posts sobre o desafio a cada mês.

gio19800511_19_158

Sempre tenho dificuldade de falar sobre contos, já que o gênero em si já é caracterizado por uma quantidade menor de informações, portanto, com um simples deslize meu eu posso acabar dando spoilers, e longe de mim querer estragar a experiência de leitura pra vocês! Contudo, tentarei falar sobre o que achei do conto de forma a não quebrar o mistério em que ele está envolto.

O conto fala sobre duas famílias rivais e sobre como, repentinamente, o jovem barão da família mais rica fica fissurado por um cavalo, chegando ao ponto do cavalo ser a única companhia que ele deseja. Vale ressaltar que, no ínicio do conto, Poe nos fala brevemente sobre uma superstição húngara acerca da metempsicose, que está definida no wikipedia como “[…] o termo genérico para transmigração ou teoria[1] da transmigração da alma, de um corpo para outro, seja este do mesmo tipo de ser vivo ou não”; e fala também sobre uma antiga profecia envolvendo as duas famílias.  Ao longo do conto essas duas coisas não são mais mencionadas em momento algum, porém, cabe ao leitor encaixar as peças do quebra-cabeça e perceber que ambas têm um papel fundamental no desenrolar dos acontecimentos.

Duas famílias rivais, uma profecia, metempsicose… Vindo do Poe, você já sabe o que esperar, certo? Errado! Por mais acostumado a ler Poe que você esteja, ele sempre encontra uma forma de surpreender. Ao terminar a leitura eu tive a certeza de que foi um dos contos mais interessantes que já li, é íncrivel como um conto tão pequeno desperta diversas opiniões e teorias. Só o fato de ter metempsicose já me surpreendeu, estava familiarizada com outros termos e características recorrentes nas obras do autor, mas esse conto foi algo totalmente novo para mim.

Creio que os leitores que gostam que o autor dê tudo mastigadinho, que explique o porque de cada acontecimento e que não dê chances de formular outras hipóteses, não gostarão desse conto – ou de Poe no geral – o que é uma pena, pois é fantástico ler um autor que possui uma narrativa tão rica que podemos tirar diversas conclusões diante de tudo o que ele nos oferece.

Leiam, leiam e leiam! Vale muito a pena

ps:  Normalmente, quando lemos e nos deparamos com palavras ou referências que não conhecemos, é possível continuar a leitura e deduzir o significado, mas, se tem uma dica que eu posso te dar, é: não faça isso ao ler Poe. Cada referência mencionada por ele contém um significado que enriquece muitíssimo a construção do enredo e dos personagens, o que faz com que você tenha um entendimento mais profundo do conto.

Imagem retirada do link: https://corrierino-giornalino.blogspot.com.br/2010/11/lultimo-dei-metzengerstein.html Aparentemente, é uma versão em quadrinhos do conto, mas está em italiano.

 

Antes tarde do que nunca: Desafio de leitura #12mesesdePoe

Olá!

Não é de hoje que eu gosto do Poe, tanto que já havia falado sobre uma obra dele aqui. Suas histórias sempre me encantaram, sempre envoltas em mistério e naquele clima de que tudo pode acontecer a qualquer momento, que costuma deixar o leitor tenso, além dos finais sempre surpreendentes.

Já tem um tempo que eu vinha acompanhando o blog da Anna – que é ótimo, por sinal – e foi nele que eu vi o Desafio de Leitura #12mesesdePoe, criado por ela. O desafio consiste em ler um conto do Poe por mês, durante um ano, e esse é o motivo de eu não ter participado antes: eu achava que só poderia participar quem já estivesse postando desde Janeiro. Fiz um comentário sobre isso no blog dela, que me disse que eu poderia sim participar agora! 😀

Como estou entrando super atrasada, farei da seguinte forma: vou ler ou reler os contos dos meses que já passaram, falar deles aqui pra vocês durante este mês e o próximo, e postar sobre os contos correspondentes a cada mês a partir de então.

Copio pra vocês, do post da Anna, as informações sobre o desafio: Continuar lendo “Antes tarde do que nunca: Desafio de leitura #12mesesdePoe”

Histórias de crime e mistério, de Edgar Allan Poe – Desafio Halloween Literário 2015🎃👻

Olá 😀

Creio que a maioria das pessoas já teve algum contato com o trabalho de Poe, muitas vezes até mesmo sem saber que era dele, como por exemplo no caso do filme O Corvo, que é baseado em um poema desse autor.

Filme O Corvo
Filme O Corvo

E é por já gostar do trabalho de Edgar Allan Poe que escolhi um livro seu para a  quarta leitura do Desafio Halloween Literário 2015 , que tem como tema “Antologias Macabras”. O livro escolhido foi o Histórias de crime e mistério.

DSC09982

O livro apresenta seis contos. Os três primeiros contos – Os crimes da rua Morgue, O mistério de Marie Rogêt e A carta roubada – apresentam o mesmo formato: Continuar lendo “Histórias de crime e mistério, de Edgar Allan Poe – Desafio Halloween Literário 2015🎃👻”